Ficou Interessado?

Blog

Entenda agora como funciona um ERP para indústria de alimentos

Um bom ERP para indústria de alimentos pode promover uma série de benefícios, como mais segurança, agilidade e precisão diária. Exatamente por isso, o assunto tem se tornado destaque e recebido cada vez mais atenção dos técnicos e executivos.

Grosso modo, ERP é um software para planejamento, organização e controle dos vários recursos que pertencem à indústria, subsidiando uma melhor gestão. Seu funcionamento pode variar de acordo com alguns fatores, como modelo de negócio e fornecedor.

Pensando na importância do tema, criamos este artigo. Com ele, você vai entender muito mais sobre ERP para indústria de alimentos e seu funcionamento. Confira!

Afinal, o que é ERP para indústria de alimentos?

O termo ERP é um acrônimo de Enterprise Resource Planning, que quer dizer planejamento dos recursos empresariais. É, então, uma tecnologia gerencial que funciona como “espinha dorsal” para transformação digital e modernização do empreendimento.

Na indústria de alimentos, o ERP ajuda a planejar, organizar e controlar os vários recursos pertencentes ao negócio, por exemplo, força de trabalho, estoques, processos produtivos e relação com fornecedores. Sem isso, seria realmente difícil realizar o trabalho diário.

Existem muitos benefícios ligados à adoção de uma tecnologia gerencial de ponta, como o aumento da produtividade cotidiana. Veja outras vantagens a seguir:

  • modernização das operações diárias;
  • redução de erros, problemas e falhas de comunicação;
  • maior precisão no monitoramento de métricas;
  • reforço das relações com partes interessadas;
  • automação de tarefas repetitivas e burocráticas;
  • melhor controle financeiro, como em custos e despesas.

Portanto, à medida que o ERP é adotado, a indústria pode se tornar mais competitiva, destacando-se das suas rivais no mercado.

Como o ERP para indústria alimentícia funciona?

O ERP para indústria funciona por meio de diferentes módulos. Pense neles como partes de um quebra-cabeça, sendo que o conjunto dessas partes permite o controle geral da indústria alimentícia. Entre os principais módulos, destacam-se os de controles financeiro, fiscal e contábil, produtivo, de estoque, de logística e de cadeia de suprimentos.

O mais interessante é que bons ERPs podem ser personalizados de acordo com as verdadeiras necessidades da indústria. Assim, cada módulo pode ser adotado conforme as peculiaridades existentes, o que gera mais funcionalidade, qualidade e adequação. Adiante, apresentamos um pouco mais dos principais módulos e suas respectivas funções.

Controle administrativo-financeiro

O módulo de controle financeiro tem por finalidade viabilizar a administração financeira, otimizando as operações de financiamento e investimento, bem como o registro dos fluxos de dinheiro ao longo de determinado período. Por isso, é algo essencial.

Na prática, este módulo é especialmente utilizado pelas áreas de tesouraria e controladoria da indústria, de modo que otimizem as rotinas de trabalho e melhorem o registro das contas e a posterior análise financeira para tomada de decisão.

Registro contábil e fiscal das operações

À medida que a indústria realiza operações financeiras, depara-se com uma série de questões contábeis e fiscais. A primeira refere-se ao registro contábil das transações, por exemplo, em balanços. Já a segunda diz respeito ao pagamento de tributos e à emissão de notas.

O ERP facilita toda a contabilidade da indústria, permitindo a geração de demonstrativos, balanços e outros relatórios. Além disso, permite que o empreendimento tenha um melhor controle e subsequente pagamento dos tributos, seguindo-se da emissão de notas fiscais.

Relacionamento com a base de clientes

Para que a indústria alimentícia sustente suas operações e gere lucro, precisa contar com consumidores que aceitem comprar seus produtos. Além disso, deve investir em boas práticas de gestão dos clientes, mantendo uma carteira atual e bem gerenciada.

Neste caso, o ERP fornece uma série de soluções. Por exemplo, mecanismos para registro das informações dos clientes e monitoramento das últimas compras, bem como análise de pagamentos e contas abertas. Assim, torna-se mais fácil construir uma boa relação.

Gestão dos processos produtivos

A indústria caracteriza-se pela transformação de determinados insumos em itens acabados, que podem ser comercializados aos clientes finais. Por isso, precisa de processos produtivos enxutos, funcionais e focados no que realmente importa.

O ERP conta com módulos para monitoramento dos processos produtivos, controle do nível de qualidade, avaliação de erros e análise de indicadores-chave de produção. Também fornece soluções para automatizar certas etapas da produção.

Controle da logística e do estoque

A indústria precisa de insumos para operar, de modo que alimente os processos produtivos existentes. Isso exige uma ótima gestão da cadeia de suprimentos, que envolve distribuição, relação com fornecedores, controle dos níveis de estoque, entre outras coisas.

Os módulos de logística e estoque do ERP fornecem uma visão precisa dos insumos e de seus respectivos níveis de disponibilidade. Além disso, melhoram a efetivação e o acompanhamento dos pedidos. Dessa forma, evitam-se atrasos ou erros que deixem a indústria desabastecida.

Como escolher o melhor ERP para indústria?

A seleção de um ótimo ERP depende de uma boa pesquisa. É preciso avaliar a tecnologia e seu fornecedor, de forma a identificar os principais pontos fortes e fracos da solução, assim como entender a relação custo-benefício existente.

Para começar, estude os módulos que o ERP disponibiliza, suas respectivas aplicações e se eles realmente atendem as necessidades da indústria. É interessante que a tecnologia conte com a possibilidade de personalização, permitindo sua formatação às especificidades da organização. Dessa maneira, terá mais chances de fazer a escolha certa e ser bem atendido.

Outro ponto importante é analisar a qualidade do fornecedor. Ao adotar um novo sistema, você não está apenas comprando algo, mas também iniciando um relacionamento. Muitas vezes terá que conversar com o fornecedor, tirar dúvidas e fazer sugestões de melhoria. Então, busque um fornecedor com boa reputação, capacidade técnica e disposição para atender seu negócio.

Por fim, não considere apenas o preço da tecnologia. Não adianta comprar a solução mais barata se ela não atende suas demandas e não promove grandes vantagens. É melhor avaliar a relação custo-benefício. Assim, certamente terá mais satisfação com a escolha.

Agora você está por dentro do tema. Lembre-se de que ERP para indústria de alimentos é um software para planejamento, organização e controle dos recursos. Essa tecnologia conta com diferentes módulos, como financeiro, logístico e fiscal. A escolha e adoção do melhor ERP, por sua vez, depende de pesquisas sobre a qualidade da tecnologia e do seu fornecedor.

Gostou do nosso artigo, certo?! Aproveite para entrar em contato conosco, conhecer nossas principais soluções e entender como podemos ajudar sua indústria. Vamos lá!