Ficou Interessado?

Blog

Ascensão do novo CFO – Organização Financeira da Nuvem

Por Delano Lins, Head de Negócios

Quando se trata de nuvem, os CFOs normalmente procuram melhorias contínuas de eficiência para maximizar o valor em toda a linha. Dois tipos de eventos, em particular, trazem esses esforços em foco mais nítido – em primeiro lugar, impulsionando o crescimento, quando o negócio em expansão, embora focando corretamente na receita, pode perder de vista as imensas pressões de custo que podem se acumular a partir de atividades de expansão fervorosas ; e em segundo lugar, os desafios econômicos, sejam de turbulências inesperadas, crises ou da competição.

Planos de crescimento bem-sucedidos exigem uma plataforma de tecnologia de negócios que possa ser dimensionada, com agilidade, não importa quão grande você seja ou quão pequeno você comece.

Dois pontos devem ser esclarecidos desde o início. Em primeiro lugar, lançar soluções de nuvem em certas áreas do negócio, na esperança de que venham a ser uma panaceia para a elevação imediata de processos entrincheirados (processos que, sem dúvida, serviram bem à trajetória de crescimento histórica da empresa) pode provar ser um atalho para a decepção corporativa, com pouco ROI. Deloitte ressalta que os CFOs costumam ser céticos quando se trata de “gastos com base na promessa de economia” e que estão certos em “desconfiar de casos de negócios que dependem apenas da redução de custos de tecnologia”. A percepção dessa visão é confirmado pela pesquisa da Accenture sobre expectativas versus realidade, mostrando que “quase dois terços das empresas … não alcançaram os benefícios esperados na nuvem.”

Em segundo lugar, ver as soluções em nuvem com as lentes estreitas de ganhos de eficiência de processo incrementais ou reduções de custo apenas, corre o risco de perder o ponto maior da nuvem como um diferencial real em termos de impulsionar o crescimento por meio de agilidade, escalabilidade e inovação. A McKinsey identifica a última oportunidade (a dimensão de valor “Inovar”) como quase duas vezes o tamanho da primeira (a dimensão “Rejuvenescer”). De acordo com a McKinsey, “os benefícios para os negócios podem sobrecarregar as eficiências de custo de TI na nuvem”, citando o fato de que os gastos com TI “geralmente representam apenas uma fração da receita total, talvez 0,5 por cento”. Mesmo economias comparativamente grandes de, digamos, 25% neste gasto ainda equivaleria apenas a “pequenas migalhas” em contraste com os “impactos de negócios mais amplos da nuvem”.

O CFO esclarecido sabe que as soluções em nuvem que valem a pena devem oferecer um caminho para uma transformação mais abrangente e holística, com benefícios claramente quantificáveis que justifiquem os gastos. Portanto, identificar os benefícios para os negócios como os principais geradores de valor, em vez de simplesmente buscar reduções de custos, permitirá que as empresas se concentrem em iniciativas de nuvem que proporcionarão uma vantagem maior no mercado. Essas vantagens incluem uma visão mais rápida e melhor, agilidade do modelo de negócios em relação a novas geografias e produtos, inovação em serviços e experiência do cliente, todos os quais, em conjunto, servem para impulsionar o crescimento lucrativo.

A maioria das empresas adoraria nada mais do que abandonar as complexidades de seu sistema histórico, complexidades que podem ter herdado por meio de aquisições ou construído por meio de empreendimentos caseiros. Mas, o fato é que todas as corporações estão em estágios diferentes de seus ciclos de melhoria contínua, elas não podem se dar ao luxo de interromper as operações enquanto reconstroem sua infraestrutura de tecnologia, mais uma vez, da estaca zero. O truque é redesenhar e melhorar seus processos sem grandes investimentos iniciais, independentemente de onde você esteja em sua jornada de transformação digital.

Concluindo, o que os CFOs devem observar ao considerar a nuvem? Em outras palavras, fazer certo, certificando-se de que o investimento adicional em nuvem se baseie no ROI do investimento de TI atual, deve envolver duas coisas:

  • um foco no valor de negócios, em vez de uma comparação simplista e contraste entre os custos no local e na nuvem, e
  • clareza sobre o escopo e o roteiro.

Comece movendo funções em vez de toda a empresa. A função Financeira é um ótimo ponto de partida, pois comprovar o valor do Financeiro coloca o CFO no assento de direção para impulsionar o resto do negócio em direção à transformação de toda a empresa.

O caminho para a nuvem não precisa ser uma opção única, exigindo reinventar todos os processos de uma vez em plataformas inteiramente novas. Da mesma forma, não deve servir como um curativo unindo todas as peças quebradas de um sistema antiquado na esperança de espremer alguns ganhos de eficiência. Simplesmente levantar e mudar as complexidades legadas do local para a nuvem seria uma oportunidade perdida. O caminho mais seguro é investir em um roteiro transformador de entrega de uma plataforma de tecnologia de negócios em nuvem, preparada com as vantagens de inovação, agilidade e escalabilidade – atributos que são essenciais no mundo de hoje.