Ficou Interessado?

Blog

Dentro ou fora? Os desafios do acesso à informação

Por Delano de Valença, Head de Negócios Procenge

Enquanto a UNESCO celebra o Dia Internacional do Acesso Universal à Informação em 28 de setembro, faço uma pausa para refletir sobre minha carreira. Afinal, o que aprendi ao longo do caminho? O que realmente é necessário para impulsionar com sucesso a acessibilidade na indústria de TI?

Uma das muitas coisas que a pandemia global COVID-19 destacou foi a importância do acesso à informação e à tecnologia da informação em nossas vidas. Ou seja, quando de repente fomos isolados de nossa grande família, amigos, colegas de classe, colegas e clientes, foi a tecnologia que nos manteve conectados.

Graças à tecnologia, pudemos acompanhar as últimas notícias globais do COVID-19, informar-nos sobre onde obter ajuda em caso de infecção e como nos proteger da melhor forma. Além disso, poderíamos continuar aprendendo, trabalhando e conduzindo nossos projetos virtualmente. Do mesmo modo, poderíamos ficar conectados com amigos e colegas por meio de nossas redes sociais e mensageiros. Poderíamos fazer pedidos on-line que não poderíamos adquirir da maneira usual. E assim nosso mundo foi reduzido a nossa casa, telas de laptop e telefones celulares. Não é um mundo perfeito, mas está tudo bem, pois ainda estamos conectados e informados.

Incorporando a Acessibilidade

No entanto, o que muitos de nós (e deliberadamente não estou dizendo a maioria) tomamos como certo, não é garantido para todos. Em 28 de setembro, celebramos globalmente o Dia Internacional do Acesso Universal à Informação. Sob o lema “Acesso à Informação – Salvando Vidas, Construindo Confiança, Trazendo Esperança!”, a UNESCO nos lembra todos os anos que o acesso à informação é um direito humano básico, embora aquele cujo impacto ainda não seja sentido mundialmente devido a questões políticas, culturais ou barreiras técnicas.

Para mim, 28 de setembro tornou-se um dia de reflexão pessoal. Veja, fornecer acesso à tecnologia da informação tem impulsionado meu trabalho há mais de 28 anos. A responsabilidade da minha equipe é fornecer a base para que nossos times de produto incorporem acessibilidade às nossas soluções. E depois de todos esses anos, posso dizer com firmeza que a acessibilidade precisa de três coisas para prosperar:

  1. Inclusão
  2. Curiosidade
  3. Processo

Mistura estranha? Deixe-me elaborar um pouco:

1. Inclusão

Primeiramente, toda a indústria de tecnologia da informação carrega consigo uma enorme responsabilidade. Com o design de nossos produtos, inadvertidamente decidimos quem está dentro – e quem não está. Então, como podemos desenvolver nossos valores e garantir que nossos produtos não excluam os usuários? Como podemos criar uma mentalidade que considera a acessibilidade no cerne do nosso trabalho?

Dessa forma, existem duas coisas que podem nos ajudar aqui: aprendizado e experiência. Falarei sobre o aprendizado no próximo ponto, então vamos nos concentrar na experiência primeiro.

As experiências influenciam a maneira como pensamos e agimos. Essas podem ser nossas próprias experiências pessoais ou mesmo as de outras pessoas que testemunhamos em primeira mão. Dessa forma, precisamos simplesmente ser capazes de nos conectar a uma experiência para entendê-la. Mas com a exclusão sistemática de pessoas com deficiência de nossas escolas, vida profissional e até mesmo da vida social, é inevitável que certas experiências simplesmente não façam parte de nosso imaginário coletivo.

Eu, por exemplo, nunca tive um colega de classe, de trabalho ou de divertimento com necessidades de acessibilidade digital. Nem na escola, nem durante o ensino superior, nem na minha vida profissional. Não é surpreendente, considerando que 1 em 7 pessoas tem alguma deficiência? Não quando se considera que a inclusão escolar ainda é exceção em muitos países e que a taxa de desemprego das pessoas com deficiência é 40% superior à das pessoas sem deficiência da mesma idade.

1.1 Possíveis soluções

Nesse sentido, para quebrar essa situação de galinha e ovo, parte da solução é empurrar políticas de inclusão fortes para o centro das organizações. Graças às políticas de diversidade com visão de futuro, experimentei os benefícios disso em primeira mão. Para mim, a força de trabalho representa uma seleção altamente diversificada de nossos usuários em um pequeno universo. Ter a oportunidade de aprender com as experiências dos outros – e experimentar seus pontos de dor com eles em ação – me fez abrir minha perspectiva, aumentar minha consciência e desenvolver minha mentalidade.

Em outras palavras, isso significou aprimorar um requisito técnico com a necessidade de uma pessoa real. E isso só é possível em uma cultura inclusiva. Assim, acredito firmemente que DEVEMOS promover a inclusão em todos os pilares da vida privada, educacional e profissional para sermos capazes de projetar um mundo que abranja a todos.

2. Curiosidade

A curiosidade é a chave para a criação de excelentes soluções acessíveis. Curiosidade por pessoas que são diferentes de nós. Curiosidade em explorar, projetar e desenvolver vários canais de percepção e operação dos quais nós mesmos não necessariamente precisamos. Do mesmo modo, curiosidade de se colocar no lugar dos outros para compartilhar sua experiência e adaptá-la ao nosso trabalho. Curiosidade pelo feedback sobre nosso trabalho e nossas lacunas. Curiosidade por opiniões que nos desafiam. Por fim, curiosidade em inovar nos requisitos de acessibilidade e ir além do necessário.

Trabalhar com acessibilidade significa aprendizagem ao longo da vida e ter a autoconsciência de que nunca estaremos completamente prontos. Com novos dispositivos, sistemas operacionais, agentes de usuário, tecnologias assistivas e inovações, os requisitos de acessibilidade são um trabalho em constante progresso. Não existe uma fonte única de verdade que garanta uma experiência do usuário perfeitamente acessível. Mas com curiosidade, podemos crescer e nos aproximar de algo de que nos orgulhamos.

3. Um processo

Sim, um processo… a diversão. Um processo é a chave para conduzir a acessibilidade de ponta a ponta em uma organização. Um bom processo é um tipo de mapa que orienta as equipes de produto por todas as leis de acessibilidade, padrões, políticas de compras e resultados necessários existentes e os ajuda a se concentrar em seu trabalho.

Com isso, garantimos que o suporte de acessibilidade em nossos produtos principais melhore continuamente. Nossa política de acessibilidade central é escrita de uma forma que independe de tecnologia e dispositivo e cobre em sua versão atual os padrões de acessibilidade de software mais recentes. Ajustamos continuamente nossa configuração com os resultados dos estudos mais recentes e feedback do cliente. Nosso objetivo é trazer a acessibilidade para o ciclo de desenvolvimento do produto o mais cedo possível e não como uma reflexão tardia.

Para mim, a acessibilidade digital parece uma jornada sem fim. No entanto, mesmo tão longe no caminho, nunca perdi minha paixão por este trabalho, mesmo quando sei que ainda há um longo caminho a percorrer. Temos todos os ingredientes para impulsionar a acessibilidade: um programa de inclusão que permite uma força de trabalho diversificada, colegas que estão curiosos para melhorar a experiência do usuário e um processo de acessibilidade que acompanha os regulamentos externos.

Nosso objetivo é que, no final, seja sua escolha entrar ou sair, e não aquela que fizemos para você por design.

Sobre a Procenge

Somos uma empresa de TI com mais de 45 anos de mercado e fazemos parte do Porto Digital. Desenvolvemos soluções de gestão empresarial personalizadas para empresas de médio e grande porte em todo o Brasil. Nosso objetivo é colaborar com nossos clientes para transformar seus negócios de forma inovadora, gerando resultados sustentáveis.

Nossa principal solução é o ERP Pirâmide 360, uma flexível plataforma de sistemas personalizados e integrados, capaz de atender as necessidades de transformação digital das empresas. Agende uma demonstração.