Ficou Interessado?

Blog

7 dicas para ter uma boa gestão empresarial no setor sucroalcooleiro

A gestão empresarial no setor sucroalcooleiro conta com grandes desafios. Como exemplos, é possível citar a necessidade de uma ótima gestão de riscos, de um exímio controle financeiro, da modernização da produção e da aquisição de uma mão de obra qualificada, entre outros.

Exatamente por isso, é preciso conhecer as boas práticas gerenciais, além de adotá-las no expediente e promover melhorias no decorrer do tempo. Também é importante, é claro, contar com boas tecnologias de administração, como sistemas ERP para a gestão geral dos recursos.

Nos tópicos seguintes, ganharemos profundidade no assunto. Apresentaremos 7 dicas para ter uma gestão empresarial no setor sucroalcooleiro de ponta. Boa leitura!

1. Conte com uma boa gestão de riscos

Pense no risco como a imprevisibilidade, isto é, a probabilidade de ocorrências capazes de afetar a empresa ou as suas partes interessadas. No setor sucroalcooleiro, há diferentes tipos de riscos, como ambientais, financeiros e de acidentes, que podem prejudicar o negócio.

Portanto, uma boa prática é mapear os principais aos quais a empresa está exposta e, depois, construir um plano de contingência. Esse plano determina quais passos devem ser dados e por quem, caso o risco se concretize. Logo, é algo realmente útil.

O mapeamento dos riscos, por sua vez, envolve a construção de uma matriz de riscos. Ela relaciona dois principais fatores: a probabilidade de ocorrência do risco e o impacto total ao negócio. Riscos mais prováveis e danosos devem ser tratados como prioritários.

2. Invista em uma exímia gestão financeira

Outro ponto importante é a exímia gestão financeira. O setor sucroalcooleiro está exposto às variações cambiais, assim como às leis de oferta e de demanda do mercado. Logo, os preços praticados na venda e os custos dos insumos podem sofrer grandes variações.

Uma boa gestão financeira demanda três coisas: planejamento, execução e controle. Em outras palavras, é preciso planejar receitas e despesas, colocar a “mão na massa” e controlar os resultados, fazendo o minucioso registro das movimentações financeiras.

O registro das movimentações financeiras é, na verdade, o registro de todas as entradas e saídas de dinheiro ao longo de um determinado período — o que é chamado de fluxo de caixa. Com ele, é possível conhecer melhor o negócio e as suas contas, além de fazer projeções.

3. Acompanhe os indicadores do empreendimento

Grosso modo, um indicador de desempenho (também chamado de métrica) é um tipo de termômetro que ajuda a avaliar a saúde do empreendimento, tendo em vista os resultados alcançados. Caso os indicadores sejam ruins, é um sinal de que há algo errado.

No setor sucroalcooleiro, existem dois principais blocos de indicadores: os financeiros e os operacionais. Os financeiros referem-se à lucratividade, à rentabilidade e ao endividamento do negócio, por exemplo. Os operacionais, por sua vez, estão ligados ao nível de produtividade dos fatores, ao total de área plantada, ao ganho de participação no mercado e assim por diante.

O mais interessante é que, ao contar com bons indicadores, torna-se possível compreender melhor o empreendimento, identificar os “gargalos” existentes e definir metas inteligentes para o futuro. Assim, tanto empresa quanto empresário são beneficiados.

4. Invista na modernização do maquinário

As diferentes etapas da produção sucroalcooleira, como adubação, plantio, pulverização, colheita e processamento, contam com demandas próprias em termos de maquinários. Ao contar com as tecnologias certas, há ganhos em produtividade, precisão e qualidade.

Nesse caso, é preciso planejar a aquisição das máquinas, avaliando quais são prioritárias e promovem maior retorno sobre o investimento. Também é importante pensar nas fontes de financiamento, isto é, nas opções de recursos financeiros (como empréstimo de longo prazo ou capital próprio) que serão utilizadas para arcar com a aquisição dos bens físicos.

É importante frisar que a modernização do maquinário é algo contínuo. Novas tecnologias estão surgindo a todo momento, o que exige o planejamento e a readequação quase contínua dos produtores sucroalcooleiros. Sem isso, pode-se perder em termos de competitividade.

5. Adote bons softwares gerenciais

Pense na tecnologia como uma grande aliada. Logo, além das máquinas físicas, como tratores, é importante investir em softwares gerenciais que melhorem o controle de tudo que é feito. Esses softwares também são chamados de ERP (Enterprise Resource Planning).

Grosso modo, o ERP é responsável pelo planejamento e pelo controle dos vários recursos que pertencem à empresa, subsidiando a sua melhor aplicação. Bons sistemas têm módulos adaptáveis (ERP personalizáveis), o que significa que podem ser ajustados a cada modelo de negócio e conforme as suas respectivas necessidades.

Ao escolher um software gerencial, é crucial ter atenção a três coisas: i) a sua capacidade de atender às necessidades da empresa; ii) a qualidade e a disponibilidade do seu fornecedor; e iii) a relação custo-benefício, ponderando qualidade e preço final da tecnologia.

6. Elimine custos não estratégicos

O setor sucroalcooleiro conta com uma estrutura de mercado chamada de “perfeitamente competitiva”. Nela, os preços de venda são estabelecidos pelas forças de oferta e de demanda, cabendo ao produtor trabalhar os seus custos para ampliar os lucros finais.

Entretanto, não é indicada a eliminação de todos os tipos de custos. O ideal é focar os não estratégicos, que não implicam a produtividade dos fatores ou o fechamento de novas vendas. Custos com impostos, aluguel e energia, por exemplo, são considerados não estratégicos, pois, apesar de básicos, não promovem um grande potencial de crescimento.

Na prática, reduzir custos exige diferentes iniciativas. Algumas vezes, é preciso renegociar com fornecedores, como na aquisição de fertilizantes ou de defensivos. Outras vezes, é preciso investir na eficiência, como no uso da energia, objetivando economizar nas contas.

7. Conte com as pessoas certas para o trabalho

Uma empresa sucroalcooleira pode demandar profissionais para os mais diversos níveis e áreas, como engenheiros de produção, agrônomos e operários. Ao contratar os profissionais certos, é muito mais fácil que o trabalho seja bem-feito e que os prazos sejam cumpridos.

Aqui, vale investir em melhores práticas de gestão de pessoas. Isso envolve o recrutamento, a seleção, a integração e a manutenção dos profissionais dentro do quadro de trabalho, tendo em vista não só os requisitos legais, mas também as práticas estratégicas de gestão de pessoal.

Agora, você está por dentro do tema. Lembre-se sempre de que a gestão empresarial no setor sucroalcooleiro conta com desafios grandiosos, sendo preciso superá-los. Entre outras coisas, isso exige o uso de boas tecnologias gerenciais, como o software Procenge. Com ele, é possível melhorar o planejamento, a aplicação e o controle dos recursos empresariais.

Gostou do nosso artigo, certo? Que tal, agora, entrar em contato conosco para conhecer as soluções tecnológicas que separamos para a sua empresa? Vamos lá!